quinta-feira, 26 de julho de 2012

Poesia sobre a valorização do professor

Anônimo disse...
Poesia sobre a valorização do professor

E Agora Professor?

E agora, professor?
O que farás com a tua sala de aula?
Que saber queres construir?
Queres na prática, romper com rótulos e preconceitos
De uma escola onde muitos resistem em ver o novo nascer?
E agora, professor?
Estás disposto a seguir em busca dos teus sonhos
Para ver uma nova escola surgir?
Vamos, professor. Continua a tua luta.
Usa a criatividade que já demonstrastes ter.
Usa a competência que já provastes ter.
És educador.
Escolhestes esse caminho e ainda nele estás.
E, se és educador, é porque acreditas que o tijolo colocado por ti,
É indispensável na construção do saber viver.
Estás cansado de promessas?
Estás cansado de esperar?
Não desanimes. É preciso acreditar.
Não vês que agindo assim não chegarás a lugar nenhum?
Não vês que agindo assim estarás reforçando todo um sistema injusto,
Que não quer cidadãos, e sim, apenas imploradores de pão,
Que sustentem a vida mansa daqueles que detém o ter
Sem respeitar o direito que tens de ser.
E agora, professor?
Não basta apenas dizer.
É preciso fazer. É preciso crer.
E, se tu quiseres, muito podes fazer.
É teu dever ajudar ao aluno a pensar.
É teu dever ajudar ao aluno a crescer.
Não dá mais pra aceitar
Que o bê a bá da vida e do saber
Aconteça sem trocar,
Aconteça sem respeitar
O que o aluno tem pra falar.
Ele não é depósito sem rosto e sem história.
Para ele chegar à vitória,
É preciso ensiná-lo a acreditar no que ele é capaz de dar
E com ele caminhar.
Estás com medo?
Medo de não saber efetivar o fazer
Pois querem atrelar o teu querer
À vontade daqueles que te querem ver
Sempre sem ter e ser.
Por que tens que de tudo saber,
Quando o teu salário não é digno,
Nem te permite viver do jeito que é pra ser?
Casa, comida, assistência,
Transporte, lazer?
Não abaixes a cabeça, professor,
Dizendo sim, meu senhor.
Porém, aproveita o que de bom podes extrair
Para que não venhas a cair
No poço das lamentações
Onde tuas omissões
Nada vão construir.
Mas, por que temer?
Tu és capaz. Querendo fazer, conseguirás isso e muito mais.
Vamos professor, não esperes.
O teu aluno não mais aceita sermão.
Tu só tens a obrigação
De compreender a educação
Como processo que contribui para a construção de cidadãos.
E agora, professor?
Não tenhas medo de sentir
Na sala de aula, o doce prazer de rir.
Para melhor aprender,
Aluno e professor precisam brincar, raciocionar,
Socializar, refletir.
Não tenhas medo, professor.
É preciso crer que é possível fazer
Da tua sala de aula, um espaço vivo para aprender.
Só assim poderão, novos conhecimentos construir.
E, se mesmo assim te chamarem de maluco,
Ridículo ou sonhador
Renova a fé em ti e no Criador.
Insista, persista e então verás que a tua luta irá se transformar
Em conquistas que, somadas,
Farão o mundo melhorar!


de Liduina Felipe de Mendonça Fernandes
Mossoró – RN
gostaria muito de ver esse texto publicado no blog